SIC Mulher

Perfil

O que é a Diabetes?

Tudo o que precisa saber sobre a Diabetes: a doença silenciosa

A Diabetes Mellitus é uma doença caraterizada pelo aumento de glicose ou açúcar no sangue. Nestas pessoas a hormona responsável pela redução dos açúcares, ou seja, a insulina não atua corretamente (situação conhecida como resistência à insulina) ou é produzida em quantidade insuficiente. Existem vários tipos de Diabetes Mellitus mas para tornar mais simples a informação para o leitor, vamos considerar os três tipos principais:

1. A Diabetes tipo 1 – também conhecida como Diabetes Insulino-Dependente que atinge na maioria das vezes crianças ou jovens (normalmente até aos 20-25 anos);

2. A Diabetes tipo 2 – o tipo mais comum e surge geralmente depois dos 40 anos, embora se esteja a verificar o aumento do volume de diagnósticos deste tipo de Diabetes em idades cada vez mais precoces;

3. A Diabetes Gestacional – que é a que ocorre durante a gravidez e habitualmente desaparece quando esta termina;

Em relação às causas dos diferentes tipos desta doença, elas podem ser muito variadas, sendo que no caso da Diabetes tipo 1 tem por base uma forte componente genética, na medida em que, o nosso sistema imunitário ataca as células do pâncreas responsáveis pela produção da insulina; já a Diabetes tipo 2 deve-se ao aumento gradual da resistência à insulina que está diretamente relacionado com as mudanças de estilo de vida, em particular os maus hábitos alimentares com o aumento assustador da ingestão de alimentos ricos em gordura e açúcares, o sedentarismo e a obesidade.

Por sua vez, a Diabetes gestacional resulta da ação de hormonas produzidas pela placenta que aumentam a resistência à insulina.

Como posso suspeitar que tenho Diabetes Mellitus?

Existe uma tríade clássica de sintomas na Diabetes que é composta pelos 3P’s: Polidipsia, Polifagia e Poliúria, mas não se deixem intimidar pelas palavras aparentemente estranhas. Na verdade estes termos traduzem situações simples que podem acontecer no dia-a-dia de um diabético mal controlado ou não diagnosticado, ou seja:

- A polidipsia corresponde ao aumento da ingestão de água, a sede constante;

- A polifagia consiste no aumento do apetite com episódios de fome frequentes, por vezes difíceis de saciar;

- A poliúria é o aumento do volume e da frequência urinária.

Para além destes podem também existir outros sintomas associados como são exemplo a perda de peso sem causa aparente, a fadiga, visão turva, infeções frequentes ou dificuldade na cicatrização de feridas.

Como posso prevenir o aparecimento da Diabetes?

Para prevenir a Diabetes é fundamental controlar os fatores de risco. Nesta área temos dois tipos: os fatores de risco modificáveis, ou seja, aqueles em que está nas nossas mãos poder melhorar; e os não modificáveis que não podemos controlar; aqui são exemplo a história familiar de Diabetes Mellitus, as doenças endócrinas ou do pâncreas, as crianças com peso à nascença superior a 4kg ou o sexo e idade (sendo que neste campo as mulheres acima dos 45 anos são as mais afetadas).

Quanto aos fatores de risco modificáveis temos a hipertensão arterial, o excesso de peso e obesidade, o sedentarismo, o tabagismo e os níveis elevados de colesterol e triglicerídeos.

Assim, para prevenir a Diabetes não deve fumar, deve manter um peso adequado, ter uma dieta equilibrada e fracionada ao longo do dia, com pouca gordura, restrição de sal e doces e deve praticar exercício físico no mínimo 45 a 60 minutos pelo menos 4 a 5 dias por semana. A atividade física é efetivamente um pilar essencial na prevenção da Diabetes uma vez que ajuda a controlar o açúcar no sangue, a pressão arterial, os níveis de colesterol e promove um bem-estar geral que é benéfico a qualquer pessoa.

O que posso fazer para manter a Diabetes controlada?

Para além da adoção de um estilo de vida saudável, para uma gestão adequada da Diabetes é importante realizar o controlo rigoroso das glicemias, da pressão arterial e dos lípidos (ou seja das gorduras no sangue). É também importante fazer uma vigilância periódica dos órgãos mais sensíveis (como o olho, rim, coração), não faltar às consultas agendadas pelo seu médico assistente e cumprir a terapêutica tal como lhe foi prescrita. Deve ainda vigiar a saúde dos seus pés, mantê-los bem hidratados e estar atento ao aparecimento de eventuais feridas ou infeções. O pé do diabético é um pé mais suscetível a infeções e, como tal, merece especial atenção.

Que tratamentos existem para a Diabetes?

O tratamento da Diabetes Mellitus varia em função do tipo de Diabetes em causa, mas tem como objetivos comuns manter os níveis de glicose dentro dos valores normais e prevenir o aparecimento de complicações. Muito resumidamente, na Diabetes tipo 1 a terapêutica contempla a administração de insulina, enquanto que na Diabetes tipo 2 embora também se possa usar insulina, o tratamento passa habitualmente pela toma de antidiabéticos orais.

Que complicações posso vir a ter se não controlar bem a minha Diabetes?

Uma Diabetes não tratada pode evoluir com complicações diversas, algumas delas bastante graves e a maioria das quais inteiramente evitáveis se a glicose no sangue for mantida num nível saudável. De entre as mais frequentes destacam-se:

- Doenças cardiovasculares e cerebrovasculares (aterosclerose, doença coronária, enfarte agudo do miocárdio, acidente vascular cerebral, doença arterial periférica);

- Neuropatia, ou seja, lesão dos nervos devido à lesão dos vasos sanguíneos que os irrigam e que cursa com formigueiro, dormência e alterações da sensibilidade, particularmente nas extremidades (pés e mãos);

- Nefropatia, isto é, lesão dos vasos sanguíneos do rim com possível evolução para insuficiência renal;

- Retinopatia que corresponde à lesão dos pequenos vasos da retina, podendo em fases mais avançadas conduzir à cegueira;

- Pé diabético com lesões cutâneas resultantes do compromisso nervoso e vascular que aumentam o risco de infeção e em casos mais graves, podem levar à amputação;

- Disfunção eréctil também por lesão vascular e nervosa;

- Aumento do risco de infeções e dificuldade na cicatrização de feridas.

Em última análise, um doente diabético pode ter uma vida perfeitamente normal, desde que com hábitos de vida saudáveis como aliás idealmente toda a gente deveria ter. O fundamental na Diabetes é mesmo apostar na prevenção, prevenção seja da doença seja das suas complicações quando esta já está instalada. Sabe-se que mais de 70% dos casos de Diabetes tipo 2 podem ser prevenidos através de mudanças comportamentais no estilo de vida, portanto do que está à espera?

Estima-se que mais de 640 milhões de pessoas em todo o mundo terão Diabetes Mellitus em 2040. Os números são alarmantes, pelo que é urgente mudar esta realidade, vamos todos atuar hoje para mudar o amanhã!

Dra. Ana Lopes da Silva

Médica de Medicina Geral e Familiar

nas redes

pesquisar